O Crédito Rural e a Taxa Selic

selicQuem atua no direito agrário, notadamente nas questões financeiras, tem percebido uma tendência de migração do produtor brasileiro do crédito rural oficial para o financiamento privado do agronegócio.
Isto tem ocorrido por várias razões, entre elas a dissonância crescente entre os valores disponibilizados a título de crédito rural (via Plano Safra) e a necessidade de investimentos financeiros do agronegócio.
Entretanto, é fato que, costumeiramente, o crédito rural sempre propiciou ao produtor um juro reduzido, de forma a fomentar a atividade agrária, notadamente ao produtor familiar. O financiamento privado tem se destacado na agricultura e pecuária empresarial.
Agora, entretanto, uma situação diferenciada está ocorrendo: as taxas de juros do crédito rural para a safra 2017/2018, fixadas entre 7,5% e 8,5%, estão maiores que a taxa Selic em razão da recente queda deste índice (7%).
Ou seja, neste momento está mais atraente ao produtor, ainda que pequeno, buscar crédito no mercado privado do que via crédito rural oficial.
Embora seja considerado um erro estratégico do Governo Federal a pactuação das atuais taxas de juros do Plano Safra 2017/2018, analisamos estes fatos como um indicador de uma mudança profunda no financiamento do agronegócio brasileiro, que efetivamente está migrando para o financiamento privado. Estamos nós presenciando a morte do crédito rural? Ou se trata de uma singularidade desta safra?

Francisco Torma, advogado.

franciscotorma.webnode.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s