O desafio da Safra 2020/2021 de soja e a disputa pelo recebimento do grão

por Juliana Frantz*

Com a disparada do preço da soja nessa safra 20/21, começou um verdadeiro duelo entre as empresas disputando o direito de preferência no recebimento do grão. Uma vez que as operações do agronegócio ocorrem, na sua maioria, em cadeia, a necessidade de receber o grão era a prioridade.

Para os produtores que haviam emitido CPR com penhor de primeiro grau, o monitoramento foi acirrado para garantir a entrega do grão. À exceção de poucos casos, a entrega ao credor de 1º grau ocorreu sem maiores entraves.

Nos casos em que havia apenas um credor com garantia pignoratícia, esse garantiu o seu recebimento deixando a briga para as empresas que possuíam contrato de compra e venda de excedente sem garantia.

O que precisou de mais atenção foram os casos em que haviam dois ou mais credores pignoratícios, todos se denominando de 1º grau no documento assinado.

E como identificar de quem é de fato o 1º grau de penhor?

O que confere o direito de preferência no recebimento é o registro do penhor, o qual deve ocorrer no Cartório de Registro de Imóveis do local de formação de lavoura. Ao dar entrada no documento junto ao cartório é gerado um protocolo, esse número de protocolo, seguido da data é quem vai confirmar o verdadeiro grau de penhor de cada credor.

Ou seja, a ordem de registro é o que vale se estivermos falando de vários graus de penhor sobre uma mesma área. Pouco importa se o documento consta primeiro, segundo ou terceiro grau de penhor! Para se confirmar o grau de penhor é necessário verificar a certidão de penhor vinculada àquele CPF.

Qual a vantagem de estar no primeiro grau do penhor?

O penhor confere duas grandes vantagens ao credor: preferência no recebimento do produto e o direito de sequela.

O credor que possui a garantia pignoratícia tem direito a receber o primeiro grão que é colhido e, caso o mesmo seja desviado na entrega, o credor tem o direito de ir buscar o grão em nome de terceiro e em local diverso daquele que havia sido determinado, o chamado direito de sequela.

Logo, as chances de garantir o recebimento do grão são grandes!

Porém, entende-se que os direitos do credor pignoratício de nada adiantam se ele não souber onde foi parar o grão que lhe pertence. Por isso, o monitoramento nesses casos é um grande aliado!

Quais as ferramentas que esse credor de primeiro grau tem para buscar seu grão?

Ao se detectar que houve desvio na entrega e souber onde o produto foi entregue, o credor pignoratício pode lançar mão de uma série de recursos para reaver o seu produto. Dentre eles, os mais comumente utilizados são: notificação extrajudicial ou judicial e o pedido judicial de arresto/sequestro do grão.

A notificação tem o intuito de informar ao terceiro recebedor do grão de que aquele produto possui ônus (penhor) e deve ser bloqueada qualquer tentativa de se fraudar o credor pignoratício. A grande maioria das empresas respeita essas notificações e comunica o produtor para que a situação seja regularizada. Por ter um custo baixo é a ferramenta mais utilizada.

No entanto, em casos extremos, o credor pode solicitar, mediante ação judicial, o sequestro dos grãos, podendo o mesmo ser realizado na lavoura, quando ainda estiver acontecendo a colheita, ou no armazém onde os grãos foram depositados. Nesse caso, o procedimento é acompanhado por um oficial de justiça e pode ser utilizado reforço policial em casos de resistência para cumprimento da ordem.

Conclusão

É indiscutível as vantagens de se constituir penhor sobre uma produção financiada para resguardar o recebimento. No entanto, ainda que se tenha penhor, é importante verificar se é de fato, o detentor do 1º grau.

Antes de se tomar qualquer medida, sempre orientamos que se saiba o destino do grão e que se tenha em mãos a certidão atualizada de penhor. Isso evita custos e condenações desnecessárias!

Ter uma garantia e torna-la efetiva são coisas distintas, portanto, para fazer valer seu direito como credor pignoratício, observe sempre a obrigatoriedade de registro e confira o seu grau para que não seja pego de surpresa lá na frente!


*Juliana Frantz é advogada, graduada em direito pela PUC/GO em 2009/2, pós graduada em Agronegócio pela Insper (Agro University – in company) em 2014, pós graduada em Direito Agrário e Agronegócio pela Faculdade Castelo Branco em 2018, professora na Faculdade de Gestão de Inovação (FGI) nos cursos de Agronegócio.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s